Bem-estar animal na produção de ovos orgânicos no Estado de São Paulo: percepção social e avaliação técnica nas granjas

Bem-estar animal na produção de ovos orgânicos no Estado de São Paulo: percepção social e avaliação técnica nas granjas

Fabiola Fernandes Schwartz¹, Lucimar Santiago de Abreu²


1 -SFS Boas Práticas Agropecuárias e Traduções Técnicas Ltda., Rio Claro, SP, Brasil. e 2 - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Meio Ambiente), Jaguariúna, SP, Brasil.

Resumo


Neste artigo é apresentada a percepção de empresários rurais, gerentes, técnicos do setor agropecuário e trabalhadores de granjas sobre bem-estar animal (BEA) na produção de ovos orgânicos no Estado de São Paulo. As condições técnicas nas granjas foram avaliadas por meio de requisitos baseados em protocolos voltados ao bem-estar animal (Laywel, Welfare Quality®, Globalgap) e em normas para produção orgânica (Instrução Normativa 46/2011 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Por meio de 21 entrevistas semiestruturadas, avaliou-se a percepção dos  atores do processo produtivo em relação ao nível de informação e as dificuldades encontradas em relação ao tema BEA. O cruzamento das informações geradas pelas entrevistas e pela avaliação nas granjas evidenciou lacunas técnicas existentes no manejo orgânico e na implementação de práticas que promovam o BEA. Quanto ao conceito de BEA, todos os agentes consideram a questão relevante, dentro de seus universos próprios de compreensão e valores ético, sanitário e econômico. Nas granjas com mais de 10.000 aves, classificadas como agroindústrias de pequeno e médio portes, as condições de BEA são satisfatórias, respaldadas por assistência técnica, boas instalações e condições financeiras para investimentos. As granjas com um número inferior de aves apresentaram deficiência de infraestrutura e manejo, limitações financeiras e carência de assistência técnica, incorrendo em riscos para o BEA. Observa-se que a consonância entre o discurso dos agentes e as práticas efetivas de BEA está diretamente associada ao conhecimento sobre o tema. Onde há lacunas nesse conhecimento, não há o entendimento ou o dimensionamento dos impactos sobre o BEA, das deficiências sanitárias, nutricionais e de ambiência. Propõe-se o treinamento dos agentes sobre conceitos e práticas que contemplem o BEA em toda a sua abrangência ética, sanitária e econômica, para que as soluções e as adequações para os problemas possam ser discutidas e implementadas sobre bases sólidas de conhecimento.

Versão completa da pesquisa

 

 

 

[Banco de Dados]

Orgânico

Banco Central     Associe-se

Rodapé