AGROECOLOGIA, PERMACULTURA E SUA RELAÇÃO COM SISTEMAS AGROFLORESTAIS PARA USO DIRETO NO COMBATE A FOME, MISÉRIA E A DEGRADAÇÃO AMBIENTAL NO SUL DO BRASIL


Mauro Schorr – Instituto Anima – www.institutoanima.pop.com.br

Resumo: Temos uma realidade onde a agricultura nesta virada de milênio recebe uma caracterização como sendo prioritária para fonte de divisas para o país, onde os detalhes de suas funções para suprir as demandas dos mercados internos, fixar os produtores no meio rural e oferecer produtos de qualidade de maneira mais diversificada, parecem que correm o risco de serem desprezados pelas políticas setoriais e inclusive pela própria cultura majs priotavelmente urbana em nossa sociedade. Este presente trabalho visa elucidar como poderemos integrar sistemas sustentáveis de produção de alimentos introduzindo consórcios agroecológicos e agroflorestais em áreas estratégicas como escolas, hospitais, associações comunitárias, agricultura familiar e empresarial, oportunizando uma maior produtividade e oferta de diferentes produtos, melhorando a renda dos produtores ao longo do ano. Há a necessidade em todo o pais da formação de novas iniciativas e exemplos valiosos que integrem de forma mais holística sistemas sustentáveis de produção e formação de bancos genéticos que possam ser aproveitados na moderna educação ambiental brasileira.

1.0. Introdução: Gerando Abundâncias e Vencendo a Fome e a Exclusão Social: Rumo a Qualidade-total em Programas Socio-ambientais

Há um grande desafio na concepção de novos modelos de desenvolvimento sustentável propostos na atualidade, onde com algumas raras exceções a grande maioria das ações ainda insiste em manter uma grande separatividade na relação do homem e da sociedade com o meio ambiente, com seu ecossistema e a sustentabilidade das atividades econômicas. O que se encontra de forma dominante é a imposição de uma cultura materialista e financeirista, que fragmenta e explora intensamente os processos vitais e naturais, chegando em uma condição onde já não podemos unir partes, conhecimentos e disciplinas que possuem uma proximidade óbvia, visível e necessária para a fundamentação e viabilidade real e notável do desenvolvimento sustentável e da interdisciplinaridade.

Como podemos educar em nossa extensão rural e educação popular propostas de desenvolvimento visando somente mercados e receitas econômicas, sem também incentivarmos uma mudança de valores e a formação de uma nova cultura diversificada, harmônica e sobretudo sustentável? Para isso outras disciplinas alem da agroecologia, conservação de solos, sistemas agroflorestais, manejo integrado de pragas e doenças são fundamentais, como a alimentação e nutrição saudável, fitoterapia e medicina natural e holística. Formam assim a base de um novo desenvolvimento sustentável mais prático e eficiente, um novo paradigma sustentável ou holístico, que pode representar um salto fundamental para aprimorar-se os legados conquistados pelos paradigmas tradicionais e industriais que estão considerados ultrapassados ou necessitando de profundas mudanças.

Possibilitar modelos educacionais mais cíclicos, amplos, onde as partes que outrora estavam competindo entre si possam dialogar e se unir, visando uma verdadeira nova epistemologia e educação ambiental prática, que nos traga um ritmo-de-vida mais saudável é a grande meta que nosso instituto, onde busca apresentar projetos estratégicos em regiões de maior presença de lideranças ambientais, articulando com suas principais ONGs de forma aberta, transparente e construtiva

Na realidade temos famílias e pessoas excluídas e de baixa renda, muitos ainda dependentes químicos, com diversos problemas sociais que a sociedade está a abandonar e necessitam obter acesso a conhecimentos não somente ligados a agricultura, mas no campo da alimentação e nutrição saudáveis, na auto-suficiência na produção de alimentos, para fármacos caseiros, uso adequado de ervas medicinais, que possam melhorar a saúde dos trabalhadores sem causar e onerar grandes dependências a influência de grupos macroindustriais ou valores muito artificiais.

Podemos desta forma levar uma cultura de sustentabilidade a inúmeras regiões e lideranças de nosso pais, entendemos que uma das formas de desenvolvimento seja a geração de riquezas promovendo a preservação da biodiversidade, outra forma seja o impulsionamento de uma cultura e economia ecológica, que não tenha tantos custos e necessidades de recursos físicos e financeiros sendo utilizados de forma tão intensa a exemplo do que acontece na Argentina e nas feiras e redes de troca no Brasil;

Os resultados concretos desta linha de atuação se refletem positivamente no sentido de que não apenas o ator mais ativo das famílias atendidas através de nossos projetos é diretamente beneficiado por nossas metas, que correspondem aos pais e os trabalhadores, mas toda a sua família assimila as novidades, reaprendizados e resgates dos conhecimentos tradicionais que costumamos apresentar e destacar. Assim o papel da mulher também é valorizado e adquire uma grande importância quando enfocamos a alimentação saudável, que combate à fome, a miséria e a subnutrição, ou as atividades artísticas, novas sementes, uso de instrumentos da arte-educacão que são muito observadas pelas crianças. Por isso que há uma atmosfera de alegria e de entusiasmo nas nossas atividades práticas, na busca conjunta de soluções para as comunidades.

Mas a questão técnica importante está na pesquisa prática e experimental que estamos realizando ao longo de 20 anos de estudo em nosso país. Quais espécies existem que podem ser consorciadas com hortas orgânicas, lavouras de grãos, sistemas diversificados de cultivo, e que tragam benefícios diretos na melhoria da renda dos produtores, no impulsionamento da sua economia ecológica, diminuindo o risco de pragas e doenças, ou da importação de insumos em maior escala.

Temos já obtido uma valiosa experiência no manejo de solos, canteiros, plantios, em escolas, postos de saúde, hospitais, prefeituras, sítios, fazendas, condomínios e ecovilas. Queremos mostrar as novidades de nosso sistema de plantio, que utilizam elementos técnicos vindos da agroecologia, agricultura biodinâmica e permacultura, obviamente que possuem também grande estudo e estima pelos sistemas agroflorestais encontrados em nosso continente.

A agricultura nestas regiões pode ser ampliada em sua sustentabilidade se adotar técnicas e métodos conservacionistas de manejo ecológico de solos que possam minimizar o impacto das chuvas, insolação direta do solo, perda de nitrogênio, matéria-orgânica, reservas de biomassa e de produção biológica, entre outras importantes necessidades de manutenção do mais importante patrimônio que possui um produtor rural, a agregação e a fertilidade natural dos seus solos. E se esta agricultura sulista desenvolver SAFs com produtos de grande valor de mercado como frutas temperadas e madeira de lei, pode equacionar muitos dos seus problemas climáticos, de falta de obtenção de renda e fontes de energia mais renováveis para suas inúmeras indústrias de porte médio a alto, e grande e potencial malha de produção familiar.

Estas técnicas envolvem por exemplo, a continuidade dos projetos de conservação de microbacias que iniciaram no Paraná e estacionaram um pouco mais nestes últimos governos. Estes projetos de microbacias analisavam quais as culturas e variedades agrícolas poderiam ser mais integradas com a realidade dos solos, do meio-ambiente, clima, épocas-de-plantio, manejo da agricultura e orientavam sobre as variedades mais rústicas e menos dependentes de insumos químicos, incentivavam o uso de consorciações com adubos verdes, montagem de curvas-de-nível e terraços que ultrapassassem inclusive as cercas das propriedades particulares, a curva era estudada via satélite, acompanhada por especialistas em topografia, e era construída englobando as lavouras do mini-ecossistema inteiro. O resultado é que se diminuíram os níveis de erosão, o uso de agrotóxicos, herbicidas, e estabilizaram as pragas e doenças.

O mais importante é que os produtores foram despertos e encontraram uma cultura e um caminho de desenvolvimento mais sustentável. Hoje são produtores mais responsáveis, conservacionistas e possuem melhores técnicas, mercados, produções e necessitam cada vez menos do auxílio dos governos.

Muitos destes produtores se tornaram orgânicos e biodinâmicos e já cultivam e exportam Soja no Sudoeste do Paraná e encontram até 40 ou 50 % a mais de preço final dos produtos no mercado europeu. Assim as produções mais orgânicas de erva-mate, açúcar, stevia, ervas, soja, farinha de milho, agro-industrialização de frutas em compotas, doces, produtos apícolas como geléia real, mel, pólen, podem ser exportados para estes mercados ecológicos e em parte solucionam grandes problemas econômicos dos pequenos e médios minifúndios produtivos de muitos locais de toda a região Sul e Sudoeste do Brasil. Assim a expansão destas microbacias, das técnicas de adubação orgânica e adubação verde e o plantio-direto podem ser desenvolvidas acompanhadas de excelentes SAFs como a combinação ordenada de plantios de espécies como imbuia, peroba, araucária, bracatinga, mogno, aroeira, butiá, guabiroba, jabuticaba, pêssego, frutíferas, consorciados com o plantio de trigo, cevada, aveia, milho, sorgo, milheto, cana, pastagens ou forrageiras como colonião, pensacola, galactria, chicharo, quicuio, entre outras.

Estas entre outras ações pode trazer muita área verde para os estados do Sul, e muita madeira que está fazendo falta para suas indústrias de móveis, combustível, papel, construção, fauna e melhor umificação e vitalização de seus ecossistemas. Pois é importante o Sul do Brasil controlar melhor seus efeitos de concentração de gases poluentes, calor, desmatamento, plantio apenas de monocultivos sem uma consorciação com SAFs, entre outra ações ecologistas mais importantes pois evidencia-se uma presença cada vez maior das estiagens de verão, que causam menos chuvas nas épocas de plantio em determinadas e muito desmatadas regiões produtoras.

Cultivos anuais com aléias de Guandu, Leucena, Crotalárias, que podem se tornar quebra-ventos e fontes de forragens e produção de nitrogênio e lenha com o uso por exemplo da Bracatinga são também importantes recomendações para os produtores sulistas e do sudoeste. O importante é formar diferentes tipos de SAFs nos diferentes locais e específicos ambientes de cada propriedade, ambientes que podem ser classificados como horto agrícola, onde pode ser introduzida a banana, o abacaxi, côco, café, ameixa, uva, pêra, figo, dependendo do clima e da vocação agrícola do ecossistema. A lavoura que pode ser acompanhada de cultivos mais comerciais de frutas para exportação e mercado interno como maracujá, uva, manga, limão, caqui, figo, azeitona, ameixa vermelha, tangerina, entre outras espécies. As pastagens com sistemas silvi-pastoris que podem ter a presença de araucária, peroba, erva-mate, imbuia, mogno, arueira, e frutíferas como pêra, maçã, pêssego, entre outras espécies. Os pomares que podem possuir pastos com leguminosas e as áreas naturais, que devem ser mais preservadas e guarnecidas suas nascentes, com formação de rppns, com o plantio mais adensado de espécies florestais produtoras de madeira, essências medicamentosas, mel, como a bracatinga, o eucalipto, ipê, angico, citrus, entre inúmeras. Isto é importante para melhorar a qualidade de vida da população do sul do Brasil que vive hoje uma dimensionalidade social mais adensada em espaço e disponibilidade de recursos naturais e por isso possui uma necessidade vital de diversificar mais suas áreas verdes e obter uma produção de alimentos de melhor qualidade.

Também no controle de ervas se exagera com o uso de herbicidas. Que tal rotações corretas de cultivos com o uso de bancos-de-proteína feitos de consórcios que podem possuir Guandu, Leucena, Caliandra, Eritrina, Bracatinga, Milho, Girassol, Feijão-de-porco, Azevêm, Ervilhaca, Serradela, Trigo-mourico, entre outras espécies mais mobilizadoras do potencial de reestruturação dos solos. Pois as rotações com estes bancos nitrificadores, uso de plantio-direto, introdução de animais para pastejo rotativo podem ser opções muito importantes para aprimorar em uma qualidade maior os processos produtivos industriais, evitando que utilize inclusive herbicidas e agrotóxicos.

Outros Consórcios e SAFs importantes para a Região Sul e Sudoeste do Brasil

- Araucária + Imbuia + Peroba + Louro-pardo + Culturas Anuais: ótimo consórcio para o Norte do Paraná, região de Londrina. A idéia é reflorestar as Áreas Verdes que estão mal manejadas para proteger as suas nascentes e produzir madeira de lei e grãos.

- Araucária + Aroeira + Erva-mate: consórcio muito utilizado no PR, SC e até RS. É excelente para ser utilizado com pastagens.

- Bracatinga + Erva-mate + Culturas Anuais: muito utilizado perto da região de Curitiba. A Bracatinga é uma espécie leguminosa das mais importantes para os SAFs do Sul do Brasil.

- Cultivo em Faxinal + Pastagens: ocorre no PR, SC e RS, onde um conjunto de até 80 espécies vegetais é consorciado com o pastoreio de animais, em áreas de maior declividade e em solos mais ácidos, e de forma comunitária.

- Araucária + Erva-mate + Pastagens: muito comum onde se colhe a erva-mate, vende-se pinhão e ainda pode-se conduzir excelentes rebanhos. Pode fornecer uma renda muito elevada com a venda da madeira e da erva-mate.

- Seringueira + Côco + Citrus + Cana com Guandu em aléias: em climas mais tropicais podem-se introduzir árvores maiores como a Seringueira, o Côco, a fim de aumentar a receita da comercialização de seus produtos.

- Bracatinga + Erva-mate + Araucária + Trigo, Soja e Milho em rotação: este consórcio é muito interessante por que a Bracatinga é uma espécie que pode recuperar a fertilidade dos solos, descompactar horizontes mais profundos e fornecer uma excelente lucratividade.

- Fícus + Marica + Bergamota + Pastagens: para a região leste ou litorânea. Produz sombra para o gado.

- Acacia + Pastagens: são leguminosas que possuem a capacidade de fixar Nitrogênio e produzir uma elevada quantidade de madeira. Pode ser consorciadas ainda com Acacia mangium, A. auriculiformis, A. crassicarpa, A holosericea, Erythrina poeppigiana, Zeyhera tuberculosa,Tabebuia rosea, Joanesia princeps, Terminalia catapa, T. ivorensis, Albizia caribea, A. falcata, Mimosa caresalpinifolia, Cordia alliodora e Pterygota brasiliensis eppigiana, Zeyhera tuberculosa,Tabebuia rosea, Joanesia princeps, Terminalia catapa, T. ivorensis, Albizia caribea, A. falcata, Mimosa caresalpinifolia, Cordia alliodora e Pterygota brasiliensis

Objetivos Correlacionados:

I – Formar Novos Sistemas de Produção Sustentável Agroflorestais e Modelos Permaculturais para a Horta, Lavoura, Pomar e Grãos: existem sistemas de cultivo consorciados que recuperam a qualidade ambiental das propriedades utilizando-se de árvores leguminosas e frutíferas que podem melhorar a renda dos produtores, diversificando a sua economia, e ainda protegem os solos da erosão, os rios da poluição e a fauna da extinção. Frutíferas sendo plantadas em uma escala maior poderão trazer uma expansão da economia e a conquista de mercados durante o ano todo. Ervas medicinais podem trazer novas frentes de renda e saúde. Com estas tecnologias pode-se produzir mais de 30 ton de alimentos por ha

II - Banco Experimental de Sementes Nativas e Espécies Medicinais: com este sistema surge um banco de sementes nativas com destaque para frutíferas, leguminosas e adubos verdes, para serem intercambiadas entre os produtores, e um banco vivo de espécies medicinais, para que sejam realizados chás e medicamentos. Feiras de troca podem fortalecer uma nova economia solidária e mais fraterna;

III – Iniciativas e Escolas Modelo em Agroecologia, Permacultura e Sistemas Agroflorestais: Surge a condição adequada e valiosa para a formação de uma escola modelo referencial que una a produção de alimentos sustentável, que é um enorme desafio para as comunidades rurais, com a realidade da assistência e exclusão social que está assustadoramente necessitando de novos impulsos e soluções, tanto na área educacional quanto tecnológica

IV– Articulação com outras Organizações: Podemos treinar e capacitar novos modelos de gestão operacional de outras iniciativas técnicas e educacionais. Despertar a consciência e uma maior cidadania das lideranças e seus colaboradores, fortalecendo seus esforços. Aprimorar os sistemas de produção agro-industriais. Propor a utilização de novas tecnologias sustentáveis de baixo custo. Formar documentos, folders, cursos e seminários entre organizações. Elaborar propostas políticas e técnicas das suas principais reindivicações;

V - Valorização da Interdisciplinaridade de Atividades e Ações: podemos incentivar a disseminação de atividades em educação ambiental, a atuação nos projetos de novos atores que correlacionem uma agricultura, alimentação e medicina sadia, destacando a importância econômica e ambiental dos sistemas agroflorestais e permaculturais.

Definição de Conceitos e Métodos de Aplicação:

Os conceitos de agroecologia, permacultura e sistemas agroflorestais necessitam serem melhor descritos os neste trabalho:

A Agroecologia ou Agricultura Orgânica

A Agroecologia ou Agricultura Orgânica são sistemas que buscam resgatar os conhecimentos tradicionais, aprimorando seu desempenhos ecológicos, tecnológicos e científicos junto aos processos produtivos, com um custo econômico, energético e ambiental inferior e mais sustentável comparado aos modelos convencionais de produção e ainda podem melhorar significativamente a renda e a qualidade de vida alcançada na Agricultura Tradicional. (Schorr, 1995)

Este tipo de agricultura é considerada como uma terceira revolução ou “onda”, pois valoriza os aspectos tradicionais com a adequada integração da agricultura com o seu ecossistema envolvido. Os fatores econômico-produtivos como a eficiência e a produtividade, que obedecem as leis de mercado existentes, são considerados heranças da própria Agricultura Industrial e são também valorizados neste sistema de produção.

A Agroecologia segue em geral, os seguintes princípios:

- Enfoca a importância de se criar Agroecossistemas, onde a produção não se isola do contexto ambiental envolvente. Utiliza para isto, a visão de que cada propriedade é como um Organismo Vivo, que se dispõe à possuir uma produtividade aceitável, à preservar ao máximo as áreas nativas, respeitando a fauna e a flora silvestre, à manter adequadamente os recursos hídricos locais, e à respeitar e à melhorar a fertilidade dos solos, dando um máximo incremento à biodiversidade, tanto para diminuir o impacto de pragas, como doenças, e fatores erosivos.

- Em seu manejo de solos, oportuniza a adequada recuperação da fertilidade através da adubação orgânica, compostagem dos resíduos, pela proteção das camadas superficiais, através do uso do mulching ou cobertura de palhada; pelo cultivo mínimo, que introduz as semeaduras em áreas ainda cobertas com culturas a serem colhidas; com o uso do plantio direto; e de técnicas agrossilviculturais como o plantio em aléias (alley cropping), Taungya, Sistemas Agroflorestais e a própria Permacultura.

- Na escolha de seus cultivares, busca incentivar um melhoramento genético que propicie uma maior resistência às plantas em relação ao clima, ao ataque de doenças e pragas, à acidez, e que tenham menor dependência no uso dos adubos minerais e orgânicos e uma maior produtividade.

- No seu sistema de cultivo, propõe modelos de consórcio, que aproveitem a alelopatia (relações realizadas à nível de rizoma que desenvolvem acréscimos na produção através da influência de substâncias enzimáticas produzidas pelas próprias plantas), um maior aproveitamento de diferentes espécies por unidade de área; a rotação de cultivos com a introdução de adubos verdes; e o isolamento de glebas e construção de cercas-vivas através do uso de quebra-ventos.

- Em relação aos aspectos nutricionais, sabe-se que os teores de vitaminas dos alimentos produzidos agroecologicamente chegam a possuir quase 10 vezes mais teores de vitaminas e sais minerais. Tanto o sabor, a durabilidade e o tempo de conservação, são comprovadamente muito maiores, devido a terem doses menores de substâncias nitrogenadas como nitritos e nitratos e uma nutrição e manejo de adubação mais orgânica.

A Permacultura

A Permacultura é a ciência ecológica e ambiental que desenvolve uma cultura sustentável que integra inicialmente a arquitetura, a engenharia, a ecologia, agronomia, e a nutrição, de uma maneira inter e transdisciplinar, que objetiva utilizar da melhor forma os recursos naturais renováveis possibilitando a formação de cidades e aldeias sociais estruturadas com padrões de sustentabilidade agrícola mais permanentes e de menor gasto de energia e de trabalho para a sua manutenção.

Desde o planejamento da casa com formação de telhados verdes, captação de água de chuva, reciclagem do saneamento, uso de fogão a lenha com serpentina, materiais mais orgânicos para a bioconstrução, utilização inclusive econômica das florestas e das matas, de materiais recicláveis e de sistemas muito eficientes de reciclagem de resíduos, diversificação produtiva, produtos de ponta e de alta qualidade como castanhas, óleos, resinas, passas, remédios e produtos farmacêuticos industriais, que possam remunerar melhor os produtores, e tragam uma maior auto-suficiência à propriedade e da economia social e familiar, são os aspectos observados nesta importante e muito avançada escola de desenvolvimento e prática de um ritmo e concepção de vida mais sustentável do III milênio.

Por isso ampliou-se mais em países mais jovens e mais sustentáveis como a Austrália, Tasmânia e Estados Unidos - Califórnia. A Permacultura busca rejuvenescer amplamente o ecossistema, reproduzir suas cadeias alimentares e níveis tróficos mais naturais, manter e investir em seus clímax florestais, introduzindo parâmetros de maior cultivo e maior integração de espécies com um maior valor e aproveitamento econômico, energético e alimentar, e pode ser muito bem desenvolvida no Brasil.

É bom lembrar que o criador da Permacultura, Bill Mollison, há mais de 30 anos começou a criar e a manter cidades que desenvolvem modelos sustentáveis de vida na Austrália e em muitos países, e recebeu pela destacada importância e seriedade de sua obra, o 1o. prêmio Nobel Alternativo do Mundo.

A diferença da Permacultura para a Agroecologia e a Biodinâmica está que a Permacultura

inclui necessariamente o uso sustentável e a convivência direta com as florestas e os modelos sociais que este relacionamento permite, a formação das ecovilas são estratégicas, as lavouras, hortas, participam do projeto permacultural em áreas estratégicas.Já a agroecologia e a biodinâmica priorizam normalmente a produção de alimentos e modelos mais tradicionais, que envolvem a formação de
sítios e fazendas ou modernas e sustentáveis empresas agrícolas.

As principais novidades que a Permacultura propõe são:

I - O Conceito de Permanência Ecológica ou seja, quando utilizarmos
um material da natureza, que seja de boa qualidade e procedência,
sendo aproveitado durante o maior número de tempo possível, assim
permanecerá sendo útil por mais tempo semelhante às arquiteturas
coloniais dos séculos passados. Assim evita-se consumir e poluir
ainda mais o planeta. É diferente a bionergia de uma construção que
utiliza um bom tijolo, ou adobe ou mesmo palha do que uma casa feita
com cimento e concreto, são estas coisas que a Permacultura se
preocupa.

II - O Conceito de Comunidades e Vilas Sustentáveis Rurais e Urbanas
ou Ecovilas: cada vez mais pessoas se unem com propósitos de
proteção, evolução espiritual, economia ecológica e formam
comunidades auto-sustentáveis. A Permacultura valoriza muito este
tipo de organização social.

III - O Conceito de Adaptação Ecológica: a Permacultura propõe uma
cultura que valoriza as florestas, berço e mãe da evolução da
sociedade humana, que saiba protegê-la, conviver com sua vida e
mistérios naturais, ainda aproveite seus recursos sustentáveis e
renováveis, desta forma poderá alcançar um nível de qualidade-de-vida
superior ao encontrado nas grandes cidades que em sua maioria estão
em processos acentuados de degradação.

IV - O Conceito de Aproveitamento Máximo dos Recursos Naturais:
básicos como a insolação, que pode aquecer paredes, células de
energia solar, pomares, hortas; trazendo economia de energia; a
energia dos ventos com o uso de cata-ventos, cercas vivas, pomares,
pastos com árvores, divisores de cultivos arbóreos; aproveitamento da
chuva com o uso de caixas de água receptoras; aproveitamento de
resíduos humanos e animais; dos resíduos do encanamento da casa para
pomares; uso de telhados vivos vegetais; uso de materiais
alternativos para a construção das casas com adobe, solo cimento,
cascas de arroz, papel, cascas de árvores, bambu, folhas de palmeiras
e ferrocimento.

V - Aumento da Biodiversidade: o permaculturista propõe um modelo
mais holístico de aproveitamento de seu espaço, introduzindo um maior
número possível de espécies vegetais que quando combinadas, podem
adicionar receitas importantes no sistema. Obviamente que se evita a
introdução de espécies mais exóticas ou que impactuem com a realidade
do sistema ambiental e natural existente.

VI - Apicultura e Animais Silvestres: muito valorizada na
Permacultura. A criação de animais silvestres está em voga no Brasil,
sendo muito importante para a recuperação e proteção do meio-
ambiente, alem de trazer respostas econômicas à realidade da
necessidade de um melhor aproveitamento das florestas e matas nas
propriedades rurais. O dia que o Brasil despertar para o imenso
retorno que a criação de animais silvestres poderá gerar em múltiplos
sentidos, sobretudo nas reservas extrativistas da Amazônia legal,
teremos um novo boom econômico e muito interessante por agradar e
impulsionar as novas gerações em toda a América Latina.

Inclusive a Agroecologia e a Biodinâmica na Amazônia ainda são
incipientes, os modelos de extrativismo tradicionais são dominantes,
baseados, sobretudo na colheita da borracha e no corte de madeira. O
uso do próprio adubo orgânico dos animais não está sendo aproveitado
corretamente, e com as chuvas torrenciais, a fertilidade dos solos é
perdida crescentemente ano-a-ano. Estive lá trabalhando e percebi uma
forte resistência, e um poderoso potencial de estruturação da
Permacultura em toda a floresta. Talvez os índios e os seringueiros
já façam uma rudimentar permacultura, onde até as suas casas e
telhados que estão feitos de madeira, representem aspectos ou partes
dos princípios gerais desta importante escola do III milênio.

VII - Ruas e Cercas Vivas Arborizadas com pomares nas cidades e
campos: para combater-se a fome e a subnutrição a permacultura advoga
o plantio intenso de árvores, que regeneram a paisagem erodida,
combatem perda de umidade, o vento excessivo, trazem repovoamento da
fauna e recuperam o lençol freático. Em uma estrada de 2 kms de terra
ou asfalto de acesso podemos cultivar mais de 5.000 frutíferas como
mangueiras, abacateiros, pereiras, araucárias, mamão, maracujá na
cerca de arame

Sistemas Agroflorestais:

Sistemas Agroflorestais são sistemas de uso da Terra que buscam aproveitar ao máximo as condições ambientais e ecológicas presentes em um ambiente produtivo agrícola e que para isso consorciam ou combinam espécies compatíveis e de interesse agronômico e ecológico em diferentes estratos e composições vegetais. Os objetivos de produção e de utilização culturais, níveis de utilização radicelar dos solos ou da profundidade de penetração de suas raízes, proteção e regulação da etologia ou do comportamento das pragas e agentes biológicos, entre outros são demais funções e cuidados que estes sistemas de produção agrícolas utilizam para serem com ampla eficiência implementados.( Schorr, 1992).

Outras definições: “ Sistemas Agroflorestais são aqueles sistemas que aumentam o rendimento e o melhor aproveitamento de uma área agrícola, combinam a produção de culturas agrícolas, espécies florestais e animais simultaneamente ou em seqüência, na mesma unidade de área, e ainda empregam práticas de manejo compatível com as práticas da população local.” (Kopijni, 1987.).

“Sistemas Agroflorestais - SAFs, são formas de uso e manejo da terra, nas quais árvores e arbustos são utilizados em associação com cultivos agrícolas e/ou animais, numa mesma área, de maneira simultânea ou numa seqüência temporal.” (Dubois, 1991)

Os Sistemas Agrossilvipastoris são aqueles sistemas onde existe a inter-relação entre os componentes da Produção Agrícola, Florestal e Animal (Baggio, 1995).

Sistemas Agroflorestais é um manejo sustentável da Terra que permite incrementar a produção total combinando agricultura, produção de árvores florestais e frutíferas e ou animais simultaneamente ou seqüencialmente, e que seja compatível com o padrão cultural da região (Bene et al, 1977)


Metodologias Gerais e Exemplos Práticos:

- Cultivos respeitam a formação de curvas de nível, com o uso de mulching orgânico ao redor das frutíferas: normalmente cultivam-se espécies arbóreas de interesse plantadas a cada 10 ms em média, combinando-se espécies compatíveis, que não competem, atraem pragas e doenças, ou tenham ciclos produtivos que sobrecarreguem os serviços de manejo.

- As curvas de nível são formadas do piso inferior para o superior ou por estruturação mecânica e tratorizada/manual ou por acúmulo de palhada advinda dos roçados selecionados, prática que evita a queimada e o desperdício da matéria orgânica. A forma piso inferior para superior significa que há a possibilidade de formar-se os patamares de contenção da erosão, e não a facilitação para o surgimento de enxurradas através dos canais de escoamento que permanecem no topo das curvas de nível convencionais. Em sua porção superior estamos recomendando o plantio da batata-doce, e na sua porção inferior o cultivo da mandioca, que ajudam a reter o solo, dependendo do clima.e região.

- Então temos a não incorporação da matéria orgânica, mas sua disposição em pilhas formando compostos orgânicos, ao lado destes introduze-se os consórcios agroflorestais. Exs: Acerola, café, mamão, figo, citrus, ameixa, nectarina, pêssego, banana, abiu, graviola, entre outros, com batata-doce e mandioca, algumas ervas medicinais como mangerona, alfavaca, alecrim, salvia, espinheira santa, e lavouras orgânicas com milho, quiabo, girassol, abóbora, melancia, melão, entre outras.

- Manejo integrado de pragas e doenças: com a introdução de adubação baseada em composto e vermicomposto, esterco animal, termofosfato, fosfato natural, MB 4, Biogel, sulfomagro, entre outros insumos importantes para a saúde fisiológica das plantas;

- Uso de preparações biodinâmicas; calda sulfocálcicas;

- Adubação orgânica e calcário, e adubação verde e diversificação alelopática nas pastagens, com o consórcio apropriado e diversificado de gramíneas e leguminosas;

- Sistemas de Alley Cropping ou cultivos em aléias com o guandu, grevílea, bracatinga, timbó e leucena. Selecionamos linhas centrais das glebas de cultivo que permanecem entre as curva de nível, e semeamos as espécies de interesse para as aléias, usadas para adubação verde, melhoria das condições dos solos, alimentação animal, apicultura, e alimentação humana e colheita de sementes.

- Cultivos em Espaldeira: semeamos espécies normalmente em hortos escolares, formando os canteiros de 1.2 x 5 a 10 ms, onde nas suas pontas laterais colocamos sementes de milho, guandu, ervilha, feijão vagem, favas, pepino, espinafre, que possuem com hábito de crescimento subir em arames e outros alicerces, assim podemos aproveitar melhor uma área com cultivos em canteiros e sobre os canteiros. O uso do milho auxilia na proteção a chuva e ao ressecamento excessivo.

- Plantio de novas espécies silvícolas como eucaliptos e pinus de rápido crescimento com faixas de consórcio de espécies leguminosas, como leucena, bracatinga, aroeira, angico, acácias.

- Manejo Voisin com cercas elétricas ou de arames sendo substituídas por espécies agroflorestais para o gado;

- Sistemas de estabulaçâo de animais noturna, com o uso de homeopatia animal para prevenção e controle de doenças;

- Grande impulso a apicultura regional, com formação de agroindústria apícola associativa ou cooperativa;

- Introduzir a concepção da necessidade da formação e uma unidade de produção comercial e agro-industrial de polpas de frutas, sucos, geléias, doces para a comercialização para os mercados regionais, da capital, de outros estados e inclusive internacionais, aproveitando sua capacidade para a extração e embalamento de mel e derivados e inclusive principio ativos de ervas medicinais.

Referências Bibliográficas:

Albert, Claude. Agricultura Biológica. Trad. SARGS. Porto Alegre. 1980

Altieri, Miguel A. A Agroecologia: bases científicas da Agricultura Alternativa. Aspta. Rio de Janeiro. 1989

Alvim, et al. Agrossilvicultura: como ciência de ganhar dinheiro com a terra: recuperação, remuneração, antecipação do capital no estabelecimento de culturas perenes arbóreas. Centro de Pesquisas do Cacau - Ilhéus - Ba -1989

Dubois, Jean C. L. Manual Agroflorestal para a Amazônia. REBRAF. RJ. 1996

Fukuka, Masanaru.The One-straw revolution. Rodale Press. Emaus. USA. 1978

Koept. Herbert H. e et alli. Agricultura Biodinâmica. Trad. Ursula Szajewski.

São Paulo. Nobel. 1983

Copijn, A. grossilvicultura Sustentada por Sistemas Agrícolas Ecologicamente Eficientes. Projeto PTA - Fase - Rio de Janeiro - 1987

Mollison, Bill. Permaculture: pratical guide for a sustainable future.

Island Press. Washington D.C. 1990

Mollison, Bill e Holmgren, David. Permacultura Um. Editora Ground.

São Paulo. 1988

Primavesi, Ana. O Manejo Ecológico dos Solos: agricultura

em regiões tropicais. São Paulo. Ed. Nobel. 1983

Posey, Darrel. Suma Etnobiológica Brasileira.Volume III. Museu Goeldi.

Raintree, J. B. Tendências Actuales de la Agrossilvicultura: tendência de la Tierra, Agricultura Migratória y Agricultura Viable. CIIAS, Nairóbi. Quênia. 1985

SEBRAE - Castanha-do-Brasil: opções de investimento no Acre com Produtos Florestais Não-madeireiros. Rio Branco - Acre - 1995

SEBRAE - Copaiba: opções de investimento no Acre com Produtos Florestais Não-madeireiros. Rio Branco - Acre - 1995

Steiner, Rudolf. Agriculture: a course of eight lectures. P.O Box 211- 011000 AE – Amsterdã. The Netherlands

Schmidt, Georg W. A Construção de Ecossistemas Aptos à Vida: intervenção humana em ambientes ameaçados e destruídos. Botucatu. Centro Demeter. 1986

Schorr, Mauro. SOSGaia7.doc : Projeto Internacional de Comercialização de Produtos Agroflorestais das Ervas Medicinais da Reserva Extrativista Chico Mendes do CNPT/PNUD/PPG7. Brasília.1998

____________ Manual.doc : A Agroecologia, a Agricultura Biodinâmica e a Permacultura para as Áreas de Proteção Ambientais Brasileiras: Os Rumos e a Necessidade Emergencial da Criação e do Impulsionamento de uma Nova Cultura, Ciência e Desenvolvimento Real e Sustentável para o Brasil e para a Proteção e Conservação de sua Áreas Naturais e de sua Moderna Agricultura Dicoe/Ibama/MMA. Brasília.1997

USA, Departament of Agriculture. Grupo de Estudos sobre Agricultura Orgânica. Relatório e Recomendações sobre Agricultura Orgânica. CNPQ. Brasília. 1984.

Vogtmann, H. Agricultura Ecológica: teoria e prática. Trad. Carla R. Volkart. Porto Alegre. Mercado Aberto. 1987.

Informações do Autor: Mauro Schorr. www.instituto anima.pop.com.br

 
Mais Artigos     Associe-se
 

Rodapé