Fibra feita de resíduos de coco vira tecido para roupas


Tecnologia baseada em fermentação não demanda cultivo extenso de plantas como algodão ou árvores

A empresa Nanollose criou uma fibra para tecidos feita a partir de resíduos de coco, que pode substituir o rayon comumente usado na confecção de roupas e móveis.

A fibra Nullarbor (do latim “nullus arbor”, que significa “sem árvores”), segundo a empresa, é a primeira de rayon que dispensa o uso de plantas e, portanto, é mais sustentável.

A nova tecnologia aparece em um momento em que a moda está sendo cada vez mais questionada pelo impacto no uso de recursos naturais.

Normalmente, o rayon e seu similar, a viscose, são feitos a partir de algodão ou de celulose de árvores.

Consequentemente, exigem que uma quantidade significativa de árvores seja cortada, triturada e tratada com produtos químicos agressivos.

Além disso, no processo de purificação, há um alto consumo de energia para obter a celulose necessária para produzir a fibra.

Já na nova tecnologia, micróbios convertem resíduos de biomassa do coco em celulose por meio de fermentação natural.

Essa celulose microbiana, por sua vez, é processada e transformada em fibras.

A produção do Nullarbor tem menos impacto na natureza, afirma a empresa, pois não demanda sol nem grande quantidade de água e solo.

Como resultado, não requer o corte de árvores ou produção agrícola. E pode ser produzida o ano todo.

Para comparar, a empresa compara a plantação de árvores em uma área equivalente a um campo de futebol (70 metros por 100 metros).

A normal leva de 12 a 18 anos para crescer e gera 3,5 toneladas de celulose por ano.

A nova tecnologia, no mesmo espaço, leva de 10 a 15 dias para gerar 115 toneladas de celulose por ano.

Nanollose se especializou em tecidos produzidos sem o uso de plantas.

Já produziu fibras a partir da cerveja, vinho e resíduos de alimentos, como uma alternativa ao algodão e ao linho.

Para a empresa, a nova tecnologia demonstra que é possível converter celulose microbiana em fibras de tecido comercializável e, portanto, em grande escala.

Fonte:Catraca Livre em 01-11-2018 Por: Redação


Leia Mais:



SIGA NOS