Por que as eleições no Brasil podem ter um efeito global no meio ambiente


Nas eleições no Brasil tem havido muita conversa sobre segurança, corrupção, religião, violência e notícias falsas. O ambiente e o papel global do gigante sul-americano para proteger a natureza, no entanto, passaram despercebidos. A perspectiva não é muito promissora.

O Brasil é o quinto país do mundo por superfície. Dentro dessa imensidão, abriga a maior extensão de florestas tropicais do planeta e as mais importantes reservas de água doce.

A discussão sobre como proteger esses recursos vitais para o planeta, no entanto, foi marginal nesta campanha eleitoral atípica, caracterizada por uma forte polarização política, violência e uma profunda mudança no sistema partidário.

Nos programas dos candidatos que participaram do primeiro turno, há menções à "conservação, combate ao desmatamento, investimento em energia limpa ou agricultura sustentável", disse ao Sputnik Carlos Rittl, secretário executivo do Observatório do Clima. coalizão de organizações da sociedade civil para acompanhar as questões ambientais.

"Mas pouco foi mencionado nos debates ou nos discursos dos candidatos no dia a dia da campanha, quando foi mencionado, foi apenas um dos candidatos, que fez isso de maneira negativa", acrescentou o especialista.

Especificamente, a questão ganhou mais notoriedade por várias declarações do ultraconservador Jair Bolsonaro (Partido Social Liberal, PSL). O capitão aposentado não falou sobre propostas para proteger o meio ambiente, mas sobre "como a proteção e a supervisão serão reduzidas", disse Rittl.

Bolsonaro descreveu o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) como uma "indústria de finos". Ele também propôs a eliminação do Ministério do Meio Ambiente e a transferência de competências para o portfólio da Agricultura, além da retirada do Brasil do Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas, um consenso internacional para mitigar o impacto da mudança climática e manter o aumento temperatura global abaixo de 2ºC.

"O ambiente, quando apareceu nessas eleições, pareceu ameaçado", resumiu o diretor do OC.

A Amazônia sob ameaça

"A Amazônia não é nossa", disse Bolsonaro em entrevista ao jornal El País.

A intenção destas palavras não era destacar a universalidade da maior floresta tropical do mundo, mas a possibilidade de abrir as portas para explorar as riquezas daquela região junto com outros parceiros.

Já durante a campanha, o CO detectou um aumento do desmatamento na Amazônia, que poderia ter sido impulsionado pela ação dos ruralistas . Este sector, que vê com bons olhos a ocupação da selva e o seu destino para a pecuária e a agricultura, deu o seu apoio explícito a Bolsonaro.

Mais informações: Ministério Público do Brasil identifica mais de 1.100 pessoas responsáveis ??pelo desmatamento na Amazônia

A transferência de políticas ambientais para a órbita do Ministério da Pecuária diz respeito ao CO e a outras organizações da sociedade civil, uma vez que os interesses dos produtores poderiam prejudicar a conservação daquela floresta.

Se Bolsonaro fosse eleito, à luz das promessas da campanha para reduzir a supervisão e outras declarações de assessores, "poderia haver um avanço drástico no desmatamento", não apenas na Amazônia, mas também no Cerrado brasileiro, outro importante bioma no centro do país.

De acordo com os números disponíveis para 2017, apenas uma área de 6.947 quilômetros quadrados foi perdida na Amazônia. Este valor implica uma redução na ordem de 75% da área demolida em 2004, ano em que o Governo Federal implementou um Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento.

Recomendamos: Governo do Brasil cancela decreto que uma região desprotegida da Amazônia

Desde então, o número de hectares demolidos caiu substancialmente, até 2012, quando o governo de Dilma Rousseff fez mudanças no código florestal que permitiram o avanço das áreas de pecuária sobre a floresta, embora longe da situação de 2004, quando foram registradas mais de 25.000 quilômetros quadrados de floresta cortada.

A realização das promessas de Bolsonaro poderia trazer de volta - ou mesmo piorar - a situação e ter um efeito sobre as "emissões de gases do efeito estufa".

Direitos indígenas, em cheque

Ativistas denunciam perante a CIDH que no Brasil existe uma "pena de morte não assumida"

"Junto com isso, há algo muitopreocupante, que é a violência contra os povos indígenas e comunidades da Amazônia e contra a agricultura familiar", disse Rittl.

Segundo o especialista, há uma "contradição" entre o discurso de "combater o crime nas cidades com a permissão do crime" e a redução das auditorias ambientais.

"Isso indica ao criminoso ambiental que ele pode fazer e que Brasília não vai se preocupar, ele vai relaxar ainda mais seu controle e controle sobre o que acontece no campo", afirmou o secretário executivo da OC. Como conseqüência, os níveis de violência para as comunidades locais aumentam.

O Brasil é um dos países que ratificaram a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que estabelece “o direito dos povos indígenas a manter e fortalecer suas culturas, modos de vida e suas próprias instituições e seu direito de participar efetivamente nas decisões que os afetam ".

Recomendamos: índios Ka'apor brasileiros interrompem o desmatamento e lutam para viver fora do estado

De acordo com Fernando Campos Costa, presidente da seção brasileira da organização internacional Friends of Earth, a transferência de políticas ambientais para o Ministério da Pecuária, bem como a liberalização das licenças de exploração, violariam este princípio. acordo.

"Muitas vezes as atividades são direcionadas como forma de excluir as comunidades do território, isso acontece com o agronegócio, com a mineração, com as barragens e outras obras de infraestrutura", disse Campos Costa.

"Cada vez mais se mostra uma intencionalidade conjunta, que tem o objetivo de explorar o meio ambiente sem cuidar das comunidades", acrescentou a referência de Amigos da Terra.

Na América Latina, o Brasil foi um dos países que mais defendeu o Acordo de Paris de 2015 para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Esse apoio poderia ser eliminado, para dizer pelos discursos de campanha de Bolsonaro.

O capitão aposentado avaliou a possibilidade de retirar o país do tratado como uma afronta à soberania do país, enquanto um de seus assessores ligados ao ruralismo definiu-o como "um pedaço de papel higiênico".

Mais informações: os nativos da Ka'apor criam seu próprio sistema educacional no Brasil

Carlos Rittl destacou que Brasil, Argentina e Uruguai convergiram na região em questões ambientais e têm "posições muito próximas" em relação aos diferentes mecanismos do Acordo de Paris. Uma mudança na posição do gigante sul-americano poderia levar a efeitos negativos no comércio, seja em bloco ou somente no Brasil.

"O Mercosul pretende assinar um acordo comercial com a União Européia (UE) e, para a União, o Acordo de Paris é extremamente importante, e vários países da UE também são parceiros do Brasil na conservação ambiental", afir

O fracasso do Brasil em cumprir com o acordo pode se voltar contra eles, porque ao tentar negociar "um acordo comercial com vantagens", as nações européias podem não conceder concessões. Da mesma forma, as empresas que compram carne, soja e outras commodities brasileiras podem ter "um impacto em sua reputação" se vier de um local "com aumento de emissões, desmatamento, violência no campo e falta de respeito pelos povos indígenas".

"Muito provavelmente eles acabarão diminuindo o comércio com o Brasil e priorizarão as relações comerciais com aqueles que podem garantir que respeitam o meio ambiente e não aumentam as emissões", disse ele.

Dê uma olhada: Macron se propõe a evitar acordos comerciais com aqueles que se recusam a assinar o Acordo de Paris

"Por muito tempo o Brasil teve uma redução no desmatamento na Amazônia e mostrou que era possível reduzir as emissões em um país em desenvolvimento, isso deixaria um papel de referência positivo para uma referência negativa", acrescentou.

Ameaças à sociedade civil

Outra das promessas mais polêmicas de Bolsonaro era "pôr fim ao ativismo". Milhares de organizações não-governamentais assinaram um manifesto em protesto contra essa promessa, que classificaram como antidemocrática .

Rittl lembrou o papel da sociedade civil "no controle do Estado e dos funcionários públicos", bem como "o controle do papel constitucional do governo e o cumprimento da lei".

"Silenciar todos os ativistas em várias questões - direitos humanos, meio ambiente, povos indígenas, negros, mulheres - simplesmente para implementar o que é considerado desastroso", disse ele.

Vinculado: Brasil lidera lista de ativistas ambientais mortos

No caso do meio ambiente, as organizações buscam que "o país tenha um equilíbrio entre economia e proteção do meio ambiente", para "melhorar a qualidade do desenvolvimento" e evitar danos à imagem do país. Ao longo dos anos, e com administrações de diferentes signos políticos, eles desempenharam esse papel.

"Em outros governos houve muitos momentos em que processos negativos foram alvo de muitas críticas, desde o Avança Brasil [um ambicioso programa que buscou construir a infraestrutura na Amazônia] por Fernando Henrique Cardoso até a redução e mudanças na proteção das florestas que eles levaram no governo Dilma [Rousseff]

Na mesma linha é a visão de Fernando Campos Costa, Amigos da Terra, que acredita que, no caso de Bolsonaro, o debate vai além da divergência em questões ambientais e está na defesa da democracia.

"Houve projetos que geraram muita oposição, muitas perguntas, algumas foram evitadas e, se não podemos detê-las, conseguimos modificá-las", afirmou.

"Eu acho que em um possível governo [de Bolsonaro] implicaria uma dificuldade muito importante para ser uma oposição, por causa da criminalização do ativismo e da limitação que os cidadãos podem se expressar sobre o que pensam em relação ao governo e às empresas", concluiu.

Na mesma linha é a visão de Fernando Campos Costa, Amigos da Terra, que acredita que, no caso de Bolsonaro, o debate vai além da divergência em questões ambientais e está na defesa da democracia.

"Houve projetos que geraram muita oposição, muitas perguntas, algumas foram evitadas e, se não podemos detê-las, conseguimos modificá-las", afirmou.

"Eu acho que em um possível governo [de Bolsonaro] implicaria uma dificuldade muito importante para ser uma oposição, por causa da criminalização do ativismo e da limitação que os cidadãos podem se expressar sobre o que pensam em relação ao governo e às empresas", concluiu.

Fonte:Sputiniknews em 22-10-2018 por Juan Ignacio Mazzoni


Leia Mais:



SIGA NOS